A Classe 738 / by Joel Araújo

Tempo de leitura: 3 minutos
29713545990_a4b7e60bf2_k.jpg
 

A proposta:

Não há como escapar à nostalgia de Agosto.
Foi precisamente por esta altura que, em 2016, abordei dois dos meus amigos para a vida, com uma proposta pouco ortodoxa de um plano de férias:

– Sérgio, João, estas férias vamos fazer a Estrada Nacional 2, de Clássico.

– É uma proposta arrojada. Dá-nos argumentos.

Contexto
Com certeza que já ouviste falar na route Route 66. Faz parte da cultura popular americana e, por associação, da cultura ocidental na sua generalidade.
A Route 66 é a materialização perfeita do romanticismo que criámos em torno do conceito de Road Trip: A estrada deserta, o horizonte à vista, o sol, a despreocupação, a liberdade.
Para todos os efeitos, a Route 66 é uma “estrada nacional” transcontinental que atravessa os Estados Unidos da América, ligando Chicago à California, num total de 3755 km.
É o 2º percurso de estrada mais longo do mundo, apenas superado pela Ruta 40 na Argentina, com uns impressionantes 5224 km.
Contudo, é no 3º lugar do pódio* que encontramos, sem qualquer conformismo à regra, a Estrada Nacional 2 em Portugal. Apelidada de “Estrada Real”, esta liga Chaves a Faro em 738 km. A espinha dorsal do país, ligando o território continental do extremo norte ao extremo sul, sempre pelo interior, por caminhos já percorridos há 2000 anos atrás por vias romanas.

*Até à data da redação original - 2016

 
29973536106_d11ae70513_k.jpg
29379928094_37f3cde330_k.jpg
 

As condições
Estou-vos a propor ir de Chaves a Faro e voltar, fazendo mais de 2000 quilómetros sob o calor extremo de Agosto, sem o conforto do ar condicionado ligado e vidros fechados; Sem o Spotify no smartphone conectado por Bluetooth a garantir aquela playlist previsível que nos safa da mercê das rádios locais; Estou-vos a propor viajar sem um habitáculo acondicionado e isolado do exterior, onde será impossível esquivar de todos os cheiros térreos agro provenientes da paisagem circundante. Vamos ter que percorrer centenas de quilómetros sem sistemas de infotainment para ver uma série enquanto não chegamos ao destino. Não vamos poder conduzir sem precisar de fazer paragens para abastecer em estações de serviço esquecidas pelo tempo, pois o carro é a gasolina. Esqueçam os bancos massajantes e arrefecidos, apaziguantes da fadiga. Vamos ter eventualmente que sair de rastos do carro e parar para comer algo numa aldeia pitoresca no meio de nenhures, onde o prato do dia é broa e vinho. Depois de partirmos, um olho estará sempre na estrada e outro no ponteiro da temperatura do motor. O carro também não vai poder ir sujo, porque, ao contrário do costume, ele não vai servir só e apenas para nos levar de A a Férias.

 
29973651416_a2a7229c81_k.jpg
29893697452_bc2802f32a_k.jpg
Esta é a génese da Classe 738, e mal posso esperar por voltarmos a fazer esta estrada, agora no Corolla.
29713558830_b9c925378a_k.jpg
29380996983_f4d51e7c1f_k.jpg
 

O rescaldo
Há um ano atrás, por esta altura, eu, o João e o Sérgio estariamos a meio da Estrada Nacional 2. Relembro com estima um momento distinto, provavelmente a sair do Castelo de Abrantes e atravessando o Tejo. Numa ainda longa viagem até Évora, rasgando a planície alentejana, durante a maior etapa de toda a aventura: A viagem arrastou-se pela noite. O sol já em fase descendente transformava todas as cores em contrastes de laranja e azul, um “Teal and Orange” que não se reproduz com edição de imagem. A temperatura era intensa, o rádio quase não apanhava emissão, o vento era quente e o andamento permitido pelas 4 velocidade do Starlet não era muito. O espaço dentro do carro era reduzido, de tão apetrechado com o material de viagem para 10 dias. Os vidros iam completamente abertos, mesmo com o chegar da noite, e o silêncio da planície neste fim de dia era apenas partilhado com o cricrilar de grilos, o som ronronante de um carburador, e a cumplicidade de 3 amigos em 738km de piadas, desabafos e histórias.

Esta é a génese da Classe 738, e mal posso esperar por voltarmos a fazer esta estrada, agora no Corolla.

Estas férias, vai de Clássico.
Boa viagem.

 
29380978813_a7a88d1321_k.jpg
 

Se ainda não conheces a história dos 3 rapazes que em Agosto de 2016 fizeram os 738km da EN2 num Toyota Starlet de ’88, podes encomendar a Topos & Clássicos #189 de janeiro de 2017 para um especial de duas páginas com uma foto exclusiva dos meus calções de praia.

 
29893700172_37967bbed6_k.jpg